fbpx

Chegou a hora de dizer: “até mais tarde”…

Saiba como enfrentar esse até logo, de forma tranquila para ambos.

Colocar o filho na creche pela primeira vez, pode causar uma tremenda angústia. Mas lembre-se que além de necessário, ajudará seu pequeno em vários aspectos. Separamos algumas dicas importantes, para que esse período seja enfrentado de forma leve e saudável. Confira:

Como estão seus vínculos afetivos?

Para garantir que essa separação seja de forma tranquila, os médicos chamam a atenção para a segurança e sensação de proteção. Caso a criança se sinta desprotegida ou represente em algum momento “abandono”, dificultará essa separação. Importante que você mamãe, estreite a relação com o seu pequeno, sem se preocupar com a sua profissão. Sim, pode parecer difícil, financeiramente ou até mesmo psicologicamente. Mas é um momento decisivo para tudo dar certo.

O sinal de alerta, é quando o bebê fica desesperado, chora sem parar ou não se alimenta direito. Momento para conversar em casa e estudar o que anda acontecendo.

Confiança é tudo!

A confiança se estabelece em qualquer relação na humanidade. Por isso, na incerteza, procure outros meios.
É fundamental que você alinhe toda rotina da criança com os educadores e/ou cuidadores. Avaliar a instalação do local, como a higiene, organização e segurança. Tudo para garantir que seu bebê receberá os devidos cuidados.

Pergunte, converse e não se sinta culpada.

Além dos conhecimentos prévios, questione sobre as atividades e atenção: até 1,5 ano, certifique-se que tenha um cuidador para cada cinco a oito crianças.

Super importante que atenda todas as necessidades físicas e emocionais da criança. Na hora da alimentação, brincadeiras, músicas, historinhas, hora do soninho, entre outras questões importantes para o desenvolvimento e extensão da rotina de casa.

Hora da papinha.

Para deixá-lo no berçário, é melhor que já tenha introduzido os alimentos sólidos, sucos e papinhas. De preferência, 15 dias antes dele entrar. O leite materno, normalmente é exclusivo até completar 26 semanas. Momento adequado para voltar ao trabalho!
A licença-maternidade de 180 dias, que prevê o incentivo fiscal às empresas privadas que concedem seis meses de afastamento às suas funcionárias, permite o tempo “ideal” para estreitar a relação com o seu pequeno, combinado à amamentação.

Planejamento <3

A separação fica mais complicada conforme o crescimento da criança. Vale a pena planejar, nos casos onde a mãe precisa retornar ao mercado de trabalho. Assim, não haverá muito sofrimento. Visto que a memória com menos de 9 meses de idade, não retém informações por muito tempo, inclusive a imagem da mãe. Entre 6 e 9 meses, é o período ideal que isso aconteça. Antes ou depois, tudo pode ser mais difícil.

Superar desafios!

A criança é um ser sensível e com certeza notará sua insegurança e estresse. Transmita tranquilidade, amor e compreensão. Demonstre autoconfiança para que ela se adapte facilmente sem a sua presença.
Por se tratar de uma  fase de adaptação, o melhor método é indicar alguém da família ou outro cuidador, para evitar que a criança se sinta abandonada. Só assim ela irá se acostumar com o novo ciclo.

Os pequenos detalhes…

A dica é deixar um espaço só dele. Isso permite que neste ambiente, ele explore e transforme num campo de desafios e capaz de cumpri-los. O espaço proporciona segurança e estimula seu autoconhecimento.

 

Fontes:

Neide Barbosa Saisi, psicopedagoga e professora de psicologia da educação da Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP); Ricardo Halpern, pediatra e presidente do departamento científico de pediatria do comportamento e desenvolvimento da Sociedade Brasileira de Pediatria; Ana Cristina Martins Loch, pediatra do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Compartilhar com:

PinterestLinkedInFacebookTwitterEmailPrint